Senhor Padre, eu pequei…

Entretanto, na igreja…

– Senhor Padre, eu pequei. Fui seduzido por uma mulher casada que se diz séria.

– És tu, Joãozinho?

– Sou, Senhor Padre, sou eu.

– E com quem estiveste tu?

– Eu já disse o meu pecado, Padre. Ela que confesse o dela.

– Oh, mais tarde ou mais cedo eu vou saber. É melhor dizeres-me agora. Foi a Isabel da farmácia?

– Os meus lábios estão selados – disse o Joãozinho.

– Foi a Maria do quiosque?

– Por mim, jamais saberá – respondeu o Joãozinho.

– Não terá sido a Maria José florista?

– Nunca o direi!

– Já sei, só pode ter sido a Manuela da tabacaria!

– Não insista, Senhor Padre!

– Vamos acabar com isto. Foi a Catarina da pastelaria, não foi?

– Senhor Padre, isto não faz sentido.

Desesperado, o Padre começa a roer as unhas, e diz-lhe.

– És um cabeça dura, Joãozinho, mas do fundo do coração que admiro a tua reserva. Vai então rezar vinte Pais-Nossos e dez Avé-Marias. Vai com Deus, meu filho.

Então, o Joãozinho sai do confessionário e vai para os bancos da igreja. Manecas, o seu amigo, desliza para junto dele e sussurra:

– Então, conseguiste a lista?

– Consegui. Já aqui temos o nome das mulheres casadas que facilitam!